As mulheres da Paris Filmes: A Dama de Ferro e A Mulher de Preto

Coincidentemente, na mesma semana ganhei convites para duas grandes estréias da Paris Filmes no Brasil. Duas mulheres no título, mas duas histórias completamente diferentes. Na semelhança, apenas a capacidade dos dois filmes de prender a atenção do início ao fim.

A Dama de Ferro

Sinopse oficial: A Dama de Ferro conta a comovente história de Margaret Thatcher, uma mulher que quebrou as barreiras de gênero e classe para ser ouvida em um mundo dominado pelos homens. A história diz respeito ao preço que se paga pelo poder, e é um retrato surpreendente e íntimo de uma mulher extraordinária e complexa.

Estrelado pela sempre brilhante Meryl Streep, que segura uma atuação forte o filme inteiro, alternando apenas com a atriz Alexandra Roach em flashbacks do seu passado.

Confesso que não sou familiar à história da primeira-ministra, então tudo era novidade para mim (o que só prova que se você é alheio à política, vai entender o filme numa boa).

O filme também aponta muito claramente as dificuldade para uma mulher sobreviver em um mundo dominado por homens. É preciso autoridade, auto-confiança e obstinação para se perseguir o que quer.

Não à toa, o filme foi indicado em duas categorias do Oscar: Melhor Atriz (dãã) e Melhor Maquiagem. Duvido muito que não leve ambas! Meryl é uma devoradora de Oscars e a maquiagem está incrível, tanto que me confundiu seriamente nos minutos iniciais do filme.

A Mulher de Preto

Sinopse oficial: Em A Mulher de Preto, o jovem advogado londrino Arthur Kipps (Daniel Radcliffe) é forçado a deixar seu filho de três anos e viajar para a pequena vila de Crythin Gifford para tratar dos assuntos do recentemente falecido dono da Casa Eel Marsh. Mas quando ele chega à arrepiante mansão, descobre segredos obscuros no passado da cidade. Sua sensação de mal-estar aumenta quando ele vislumbra uma misteriosa mulher toda vestida de preto.

Medo. Susto. Suspense à flor da pele. Fui à cabine de blogueiros da Paris Filmes sem saber o que esperar e encontrei um suspense dos bons, que mantém seu coração batendo forte e que faz qualquer sombra da sala parecer uma assombração.

Daniel Radcliffe é quem conduz a trama, mas infelizmente, ainda sem muita capacidade de fortes emoções. Sua interpretação é contida, pouco expressiva e ainda bastante estigmatizada pelo fantasma de Harry Potter (o que gerou várias piadinhas entre os blogueiros presentes, do tipo, cadê sua varinha agora? e afins).

Mesmo assim, para quem curte o gênero, vale demais o ingresso. E quem assistir, preste bem atenção ao final e me diga se não vale ainda uma continuação das brabas?

A Dama de Ferro já está nos cinemas desde 17 de Fevereiro e A Mulher de Preto estréia na próxima sexta, em 24 de Fevereiro.

2 comments Write a comment

  1. Bom, isso não é aquela maquiagem perfeita de todos os tempos. Gente, tanta maquiagem bonita por aí, logo ela que ganha o Oscar? É uma maquiagem simples igual ao de todas as mulheres. Não é por nada. Mais o dela é uma maquiagem PEBA que nunca chegará aos pés de outras maquiagens por aí.

Deixe uma resposta

Required fields are marked *.