Bienal 2010, mais gente do que livros.

A Bienal do Livro SP 2010 acaba neste domingo, e eu gostaria muito de ter escrito esse post antes (apesar de ter escrito, mas sem muita certeza de que vocês leram) para te dizer: vá.

Entrada da Bienal.

Estive lá no domingo passado e, apesar das filas e das multidões em tooodos os stands, fiquei encantada com a quantidade e a variedade de obras. Praticamente todas as editoras, das mais conhecidas às que eu nunca ouvi falar na vida estavam lá, cada qual apresentando seu melhor.

Multidão para comprar ingressos. Apesar disso, foi rápido, tudo estava muito bem organizado. ;)

Fiquei meio que emocionada ao ver todo mundo, de crianças a velhinhos, com um ou mais livros nas mãos, o que significa que não estavam lá de brincadeira, estavam realmente interessados na leitura, não importando qual fosse o conteúdo.

Posso dizer que realizei alguns sonhos de criança, já que estavam por lá os maiores responsáveis pelo meu deleite literário quando criança: Maurício de Sousa e Ziraldo. Não tive coragem de entrar nas intermináveis filas para sair com um exemplar assinado, porém, consegui chegar bem perto dos dois e fotografá-los. Mitos vivos.

Para a minha surpresa, estava também lá autografando obras o escritor John Boyne. Quem? O escritor de O Menino do Pijama Listrado, uma das obras mais sensíveis que já tive o prazer de ler. Tímido, ele me lembrou demais o menino da versão em filme, que ainda não tive o prazer de assistir.

Minha melhor foto do tio Maurício, dando autógrafos dentro de um aquário de vidro cercado de gente.

Minha melhor foto do Maurício, dando autógrafos dentro de um aquário cercado de gente.

Ziraldo já estava mais acessível. ;)

John Boyne (O Menino do Pijama Listrado), a surpresa da Bienal.

Momento bizarro da Bienal, onde realizei os sonhos devassos de duas adolescentes.

Twitter presente na Bienal, vários brasileiros criando suas devidas contas lá dentro. 8)

Sou um pouco pão-dura e gosto de comprar livros on-line para poder pesquisar e comprar sempre no lugar (confiável) de menor preço. Por isso, saí de lá com apenas uma pechincha: o box Literatura no Cinema: Mulheres com 4 livros maravilhosos: Os Delírios de Consumo de Becky Bloom, Melancia (que não faz parte do box, mas estava lá e achei ótimo), Sex & the City e O Diário de Bridget Jones. Por mais que eu já tenha visto os filmes, o livro é um milhão de vezes melhor e mais detalhado e o formato pocket é perfeito para ler no trem, mesmo quando estou esmagada às seis da tarde. :P

Namorado saiu de lá com um livro nerd, obviamente, que eu também acabarei lendo, pois eu sou, de fato, fascinada pelo império de Steve Jobs e especialmente pq não resisto ao cheiro de livro novo. 8)

As aquisições da Bienal. Becky Bloom eu já devorei na primeira semana...

5 comments Write a comment

  1. è sempre assim, FATO!! Na bienal que teve na minha cidade encontrar um livro (bom) era coisa de vencedor! hahaha tinha muita muita gente, concerteza, “mais gente do que livros”,

  2. Me recusei a ir, não me informei sobre nada… Estou pobre e tenho certeza que deixaria minha dignidade lá tentando levar todos os livros que gostaria… E sem falar que ia me irritar com meu namorado dizendo “na internet a gente acha mais barato” e nunca compramos nem pela internet, nem pessoalmente.
    Mas fico feliz que você se divertiu!!!!

  3. Não fui a bienal também pra economizar senão ja sairia de lá sem roupas de tanto q gastaria =X
    Mas todos falam q foi mto boa..queria ver o Ziraldo *-*
    MElanciaaa *-*~ Adoro livros da Marian Keyes…to no fim do Sushi… e ja li o Férias…agora melancia aidna não consegui u.u
    Ah obrigada pelo comment ^^
    bjs

Deixe uma resposta

Required fields are marked *.