Bodas de trigo.

Foto: Unsplash

Hoje é meu aniversário de casamento.

E pela terceira vez, eu cumpri o ritual de acessar a internet para saber do que são as bodas que estamos comemorando este ano, mesmo sem entender a real função disso.

Descobri que são bodas de trigo.

E a explicação oficial que milhares de blogs de casamento se ocupam em me dar é bonitinha. Simboliza a prosperidade e a união, como se ao longo dos anos juntos estivéssemos plantando algo e fosse o momento da colheita, representando o amadurecimento do casamento“. (Fonte)

Tem também uma história de bodas de couro na mesma data, mas não tenho maturidade suficiente para lidar com essa. Me atenho à de trigo apenas, já está de bom tamanho.

A partir da descoberta, a minha mente começa a viajar e eu entro no processo de tentar encontrar significados só meus para essas bodas. Alguma referência que faça sentido só para mim.

Primeiro vou buscar na literatura. Se não fosse lá, seria em alguma música. Mas achar música que fale sobre trigo sem que o Milton Nascimento esteja envolvido é complicado, então, volto para a primeira opção.

Os campos de trigo do Pequeno Príncipe me vêm à cabeça. É clichê, eu sei. Mas também é um clássico. E clássicos têm essa capacidade de transmitirem mensagens que são válidas por gerações, então, me esforço para lembrar.

É a raposa quem cita o trigo para o principezinho, quando está explicando, talvez, a passagem mais famosa de toda a obra, sobre cativar alguém…

“Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros passos me fazem entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora da toca, como se fosse música. E depois, olha! Vês, lá longe, os campos de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste! Mas tu tens cabelos cor de ouro. Então será maravilhoso quando me tiveres cativado. O trigo, que é dourado, fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento no trigo…

Julgue o quanto quiser. Essa passagem é maravilhosa. E eu me sinto todinha como essa raposa, ressignificando as coisas, e no processo, conectando o mundo ao meu redor com aqueles que um dia já deixaram alguma marca em mim.

É uma pena que Curitiba não tenha campos de trigo para que eu possa olhar e lembrar dos cabelos (ó, que coincidência!) loiros do Mauri.

Por outro lado, se aplico esse pensamento à outras coisas não tão óbvias como a cor dos cabelos, percebo que nesses três anos já criei tantas associações para coisas que me lembram o Mauri que seria impossível listar todas.

Vai de ouvir uma canção do Bob Dylan a ver uma piada sobre tipografia. São todos os lugares por onde já passamos e todas as questões que já discutimos. São os momentos em que ele esteve ao meu lado e também aqueles em que ele esteve ausente. É toda a família e o lugar de onde ele veio. São todos os planos e um futuro que por enquanto só existe na nossa cabeça.

Cumplicidade. Referências. Estar na presença de alguém que fala alguma coisa que tem conexão com os dois e saber exatamente o que o outro está pensando.

O trigo, por si só, é apenas trigo. E talvez você aí que está lendo tenha uma história engraçada ou traumática envolvendo trigo e ele tenha um significado totalmente diferente pra você. O mais perto disso que eu tenho é quando vejo um movimento dourado na multidão e meu coração imediatamente se agita pensando que pode ser ele, e é aí que tudo faz sentido. Tudo ganha sentido.

Então, deixe os blogs de casamento explicarem o quanto quiserem o significado dessas bodas. Tudo bem, eu acho importante essa coisa do amadurecimento do casal. Mas acho que já passamos dessa fase (até porque nossos três anos estão contidos dentro de oito, então, é quase como se estivéssemos roubando nesse jogo).

O que eu tiro dessas bodas é o novo sentido que eu encontro nas coisas graças aos momentos que eu compartilhei com ele. Qualquer coisa. Todas as coisas.

Meu desejo para hoje (pode fazer desejo nas bodas?) é que a gente ainda ressignifique muito mais juntos. Um mundo inteiro.

Feliz três anos.

Deixe uma resposta

Required fields are marked *.