Festival Natura Nós: a experiência

Foi subitamente que recebi a notícia de que eu estaria no Festival Natura Nós no sábado passado. Graças a uma promoção-relâmpago da @BillboardBrasil, ganhei um par de ingressos para conferir algumas bandas muito bacanas.

O festival começava às 15h00 com algumas atrações nacionais, mas acabamos decidindo chegar lá um pouco mais tarde para conferir as grandes bandas da noite (nada contra a música nacional, pelo amor de Deus, hein).

AIR

Chegamos com o show da dupla francesa já rolando. Confesso que não os conhecia, mas achei o som diferente, gostoso e exótico. Adoramos a voz sintetizada e a batida ritmada! Definitivamente, algo a se incluir no player para dar mais atenção. Para quem se interessar, aqui tem o setlist do show do Air.

No intervalo, fomos conferir as instalações do Festival. Adoraria ter estado no SWU para poder traçar um comparativo no quesito sustentabilidade, pois, pelo que vi, posso dizer que a Natura fez um excelente trabalho com mobiliário, panfletos e até copos biodegradáveis e monitores exclusivamente para instruir a coleta seletiva no local.

Além disso, a Natura honrou o ramo (cosméticos) e colocou à disposição da mulherada um stand cheio de produtos a serem usados à la vonté, com direito a maquiador profissional para ajudar as moçoilas na produção. Me joguei!

A tenda da Natura. Lá dentro, quilos de hidratante!

Alguns dos produtinhos Natura Face à disposição.

A maior de idade (heuaehae) retocando o rímel para continuar a festa. :D

Móveis Coloniais de Acaju

Pontualmente às 20h00, a banda nacional entrou no palco para uma apresentação maravilhosa. Os brasilienses estavam elétricos, literalmente pirando no palco. E tão bom quanto eles foram os fãs, que soltaram balões para o céu e subiram ao palco para cantar ao lado da banda, que retribuiu e foi para o meio da galera tocar em uma roda tremendamente animada.

Snow Patrol

Trocamos de palco para ver a banda, mas, apesar da expectativa, o show não foi lá grandes coisas. Soltaram o smash hit Open Your Eyes logo no início e depois dele, nada mais empolgou. Nem as várias tentativas do vocalista de falar português levantaram a galera. Erraram músicas e até o próprio Gary Lightbody entendeu que as coisas não estavam boas e fez o que era certo: nos desejou um bom show do Jamiroquai, que estava por vir.

Uma hora de intervalo, confesso que não me animei a assistir o show da banda Bajofondo, porém, pude ouvir o som da praça de alimentação e o estilo do tango eletrônico deles é realmente notável! Pude reconhecer (e confirmei pelo Google, óbvio) que é deles a ótima música tema de abertura da novela A Favorita!

Jamiroquai

Já passava das 23h quando a estrela da noite apareceu, com um cocar gigante e duas listras de guerra no rosto, que podiam muito bem representar a disposição de garoto que o fez levantar a multidão com seus maiores sucessos. Memorável!

Pontos Negativos

A lama, que parece nunca dar trégua à Chácara do Jockey. Pelo menos desta vez a chuva não estava presente, diferente do show do Killers no ano passado que assistismos debaixo de um pé d`água.

Os maconheiros. Ok, é um festival a céu aberto e tudo mais, mas não consigo conceber esse tipo de diversão, que é prejudicial aos que estão ao redor. A solução? Maior fiscalização no meio do povo, para não acharem que é tão simples assim bancar o bonitão no meio da galera.

Ponto Positivo

Ele, do meu lado sempre, desde quando saiu no meio do expediente para buscar os ingressos, até quando pisou em poça de lama junto comigo, esperou meia hora na fila pelo cachorro quente, me emprestou o iPhone para as tuitadas do meio do festival e especialmente quando me abraçou nas músicas lentinhas. :}

*todas as fotos que ilustram as bandas são do Fotoshow, do iG. ;)

Deixe uma resposta

Required fields are marked *.