O livro de FEVEREIRO: Steve Jobs, a biografia por Walter Isaacson

Como eu contei aqui, a quantidade de livros de 2011 foi vergonhosa! Para mudar isso, em 2012 decidi ler pelo menos 1 livro por mês. Veja os livros anteriores aqui.

O MOTIVO DO LIVRO

Quando foi anunciada a morte de Steve Jobs no ano passado, eu fiquei realmente triste. Ele sempre foi para mim uma figura digna de ser colocada ao lado dos grandes nomes da inovação da humanidade. Sua busca pelo perfeccionismo e pela forma e função agregadas para o usuário sempre me inspirou e foi um dos fatores que me levaram a escolher e encarar quatro anos de uma faculdade de Design.

A  compra do livro foi na verdade, para o aniversário do namorado, que sendo designer, sempre foi apaixonado também pela Apple e pela filosofia Steve Jobs de ser/fazer. Só que o bonito não devora livros como eu, por isso, tomei a licença de pegar o presente emprestado para matar a curiosidade que eu estava sobre essa biografia autorizada desde o seu lançamento.

A HISTÓRIA

Por ser uma biografia, não existe um enredo, mas sim, uma cronologia. Os fatos são apresentados mostrando o ponto de vista das pessoas que o autor entrevistou (inúmeras!), entre elas, é claro, o próprio Steve Jobs. Essa “presença” dele no livro faz com que, por alguns instantes, seja possível ter um pouco da genialidade e petulância de Steve Jobs de volta.

Vários capítulos são dignos de nota e há muitos quotes e passagens geniais dele que por preguiça (e vontade de devorar o livro logo), acabei não anotando.

Abertura do livro. Mais apropriada, impossível.

Como toda biografia que se preze, há uma seção recheada de fotos particulares.

O livro não fala exatamente do momento da morte dele nem tampouco do funeral ou coisas do gênero. Por terminar de maneira assim, etérea, a impressão que fica é a de que Steve Jobs deixou seu legado para gerações futuras por meio de suas criações que ainda estão por vir.

EXTRAS

Penso que seria muito enriquecedor uma futura versão da biografia em formato multimídia. Muitas das passagens falam do impacto que ele causava ao pisar no palco para as conferências da Apple e seus discursos, cheios de adjetivos que engrandeciam (com razão) sua empresa e produtos.

Por esse motivo, os extras do post são dois momentos incríveis. O primeiro vocês já devem ter visto, já que esse discurso se espalhou que nem água na internet. Ainda assim, vale a pena rever:

O segundo, é Steve Jobs no ápice da sua forma, fazendo aquilo que mais gosta e apresentando um dos produtos mais revolucionários da atualidade: o iPhone.

MÊS QUE VEM

Pra variar, o post atrasou e eu já li o livro de Março, hehe. Foi indicação de uma leitora que comentou por aqui e eu gostei muito! Mas como Março ainda está longe de acabar, vou acabar lendo dois livros, que mais pra frente conto quais foram. E lógico, sugestões continuam SUPER bem-vindas! ♥

2 comments Write a comment

  1. Morro de vontade de ler mas já desisto antecipadamente por ser biografia. Tenho pouca paciência, mas às vezes é preciso. Confesso que meu amor por Jobs chegou tarde, pouco antes de ele morrer. Mas aprendi tanta coisa e consegui me viciar naquele aparelho que eu jurei nunca nem tocar: o iPhone. To super curiosa pra saber qual o livro de março <3

  2. Pingback: O Steve Jobs de Aaron Sorkin.

Deixe uma resposta

Required fields are marked *.