O livro de OUTUBRO: Odeio Gente!

Pra quem chegou agora, eu contei aqui que a quantidade de livros de 2011 foi vergonhosa! Para mudar isso, em 2012 decidi ler pelo menos 1 livro por mês. Veja os livros anteriores aqui.

Título: Odeio Gente!
Autor: Jonathan Littman & Marc Hershon
Editora: BestSeller
Páginas: 317
Onde comprar mais barato: Cia dos Livros

O MOTIVO DO LIVRO

É impressionante como gostar de fazer o seu trabalho é visto com maus olhos por algumas pessoas. Comecei a observar essa vertente de comportamento quando estava na faculdade e fui desenvolvendo esse pensamento conforme adentrava no ambiente corporativo. Cheguei à conclusão de que lidar com pessoas requer um dom. Que eu não possuo, obviamente, mas que estou tentando seriamente desenvolver. Foi por isso (e também pela divertida agressividade do título, confesso), que eu resolvi que esse seria meu próximo livro. Além disso, já era a hora de sair um pouco da ficção e voltar para o mundo real.

A HISTÓRIA

O livro se revelou um divertido guia de sobrevivência ao ambiente do escritório. Quem passa oito horas por dia (ou mais) dentro de um bem sabe que muitas vezes ele se transforma em um verdadeiro campo minado.

Os autores começam a conversa pelas pessoas, listando os Dez Indesejáveis, seres com personalidades terríveis cuja função parece ser somente atrapalhar quem realmente está a fim de trabalhar. Meus dois favoritos da seleção de estereótipos são o “Homem-Minuto“, aquele cara que chega de mansinho sem querer incomodar, com a desculpa de querer apenas 5 minutinhos do seu tempo, mas acaba roubando 2 horas preciosas dele. O outro é o “Não-sabe-nada“, aquela persona que adora discursar pela empresa sobre essa nova religião surgida na Malásia ou sobre a influência da mudança das marés no comportamento feminino (!!!). Ou seja, qualquer baboseira que ele possa memorizar na Wikipedia e repetir para quem tiver ouvidos para ouvir por perto.

Outros como o Planilha (o cara que se bobear planilha até os cafezinhos que você toma no dia) e o Carneiro (aquele ser que simplesmente não se manifesta, mas quando se une a outros, incorpora um rebanho fácil de manipular) também são figuras reconhecíveis em qualquer ambiente de trabalho. Além de ensinar a lidar com cada um desses tipos, o livro também provoca uma excelente autocrítica, em que você percebe que alguns dos seus comportamentos intrínsecos podem incomodar mais do que aparentam.

O livro também traz reflexões sobre o espaço ideal de trabalho, que eles nomeiam de Caverna, um lugar onde você se sinta à vontade para trabalhar inteiramente focado. Sabe aquela história de que quanto mais pertences pessoais você tiver na sua mesa, menos focado você é? Balela. Eles desmistificam essa teoria e ainda jogam na mesa o contrário: se você tiver inputs na sua mesa como fotos de viagens que fez ou de objetos que conseguiu comprar com seu dinheiro, você se sentirá ainda mais motivado para trabalhar para conquistar muito mais daquilo. Faz muito mais sentido, não?

Por fim, ele propõe que o trabalho encontre tempo na sua vida e não o contrário, mostrando exemplos de diversos empresários bem-sucedidos que encontram inspiração para fazerem tão bem o que fazem em diversas outras atividades como natação ou hipismo.

Sarcástico e bem fundamentado, com depoimentos de líderes de grandes empresas, o objetivo maior do livro é torná-lo um solista, ou seja, um profissional capaz de voar alto e progredir na carreira sem deixar que as interrupções cotidianas o atinjam e o desviem desse foco.

É leitura recomendadíssima para quem quer fazer a diferença no mundo corporativo e não apenas bater cartão. :)

O LIVRO DO PRÓXIMO MÊS

Pra variar, mais uma indicação da Mari, minha guru literária. Divergente é um livro que eu provavelmente vou devorar antes do final de Outubro, então será mais um pra conta desse mês. Assim que eu terminar, volto aqui pra contar pra vocês. Se alguém já conhece, fique à vontade pra comentar aí embaixo, só tomando cuidado com possíveis spoilers. :)

1 comment Write a comment

Deixe uma resposta

Required fields are marked *.