Quando a arte imita a vida

Depois de vocês me ouvirem falar desse filme incansavelmente, estou de volta, pela última vez, eu imagino, para fazer a resenha, após assisti-lo. Eu detesto admitir, mas sou aquele tipo de pessoa ansiosa. Se eu gosto muito de alguma coisa, preciso tê-la o quanto antes, e no caso em questão, isso significou assistir ao filme na data da estreia.

Cartaz pobrinho, mas que remete à adorável abertura do filme.

Amor à Distância estreiou nesta sexta (10/09) e eu saí da faculdade (é, sou nerd e não perdi as duas importantíssimas aulas de sexta-feira) direto para a sala do cinema, com o namorado a tiracolo, afinal de contas, ele é o meu caso de amor à distância e o motivo para toda essa identificação com o filme.

Devo dizer que achei o começo meio bobo, com toda uma preparação, ou desculpas, que sejam, para culminar ao ponto que interessa na trama, que é quando o casal se separa e começa a fazer todas aquelas coisas bobas de um relacionamento à distância: torpedos a toda e qualquer hora, ligações para falar de simples manias, videochat e até mesmo, na hora em que a saudade aperta pelo lado físico, sexo pelo telefone.

Quando aeroportos e rodoviárias se tornam locais simbólicos na relação.

Não consigo nem pensar em atriz melhor do que a Drew Barrymore para estrelar um filme assim. Ela é, naturalmente, esse tipo de mulher adorável, sedutora, mas que te vence no videogame e te diz coisas engraçadas mesmo na pior das situações. Sou eternamente apaixonada por ela e fico muito chateada que o filme que ela dirigiu, Whip It (ou Garota Fantástica, sic!), não tenha tido o destaque merecido por aqui.

O momento em que até sua própria família está tentando te convencer de que ele está com outra enquanto vocês conversam a kms de distância...

E bem, obviamente, como já era de se esperar, chorei. As cenas de despedida nos saguões do aeroporto são doloridas demais, porque por mais que tenha sido há algum tempo, elas me fizeram relembrar da dor que era ter que se separar daquela pessoa maravilhosa com a qual você havia passado tão pouco tempo junto. Isso, é claro, culmina em um ponto em que ou você dá uma guinada definitiva na relação, ou a distância simplesmente faz tudo ficar insuportável e frustrante, a ponto de fazer naufragar o mais sólido dos amores.

Apesar da baixa qualidade, ela retrata absurdamente bem um bom momento de um relacionamento à distância: compartilhamento e diversão.

Não sei se é um filme que verei novamente tão cedo, mas é um filme que eu definitivamente precisava ter visto, não só pela identificação, como também pela modernidade do tema. Você sabia que atualmente, 3 em cada 7 relacionamentos começaram pela Internet? Twitter, Facebook, Orkut, todas estas mídias sociais estão aí para aproximar pessoas em comum (o que não é necessariamente o ponto de partida do casal do filme, mas serve como um meio). Porém, fazer esta relação durar, independe dos meios ou da geografia. É muito mais uma questão de atitude dos envolvidos em levar adiante.

5 comments Write a comment

  1. Eu quero muito ver esse filme. Acho a Drew super fofinha *-*. Eu nunca tive um relacionamento a distância. Talvez acho que não aguentaria, mas acredito que tenha muitas vantagens que as vezes um namoro presencial, mas, eu não aguentaria. Estou nas estatisticas, porque apesar de eu e meu namorado estudarmos juntos, nós nos conhecemos pela internet, porque ele fazia pouquissimas aulas comigo no primeiro periodo HASUDASHDAUS

    E não é só relacionamentos a distancia que precisam de atitudes pra durar. As vezes os presenciais são tão complicados quanto. A geografia (ou a falta dela) de alguma forma sempre influi HSUDSAHDU

    Beijos, querida.

  2. Como prometido pra mim mesma também corri pra ver o filme…mas só no domingo…adorei…e também chorei =X
    Sei bem como são essas despedidas…ainda passo por elas toda semana…ou quase…tem finais de semana q não dá pra nos vermos e etc…

  3. Olá
    Amo surpresas!!!!

    Quero muito fazer uma para meu namorado um vídeo ASF (Amor Sem Fronteiras)
    Para isso preciso juntar fotos de várias pessoas segurando uma placa dizendo o quanto amo meu amor.
    Funciona assim: A pessoa faz uma plaquinha (pode ser de cartolina, de folha de caderno, qualquer coisa). Na plaquinha tem que ter um texto mais ou menos assim:
    “Wellington, o amor da Walkiria por você é tão grande que já chegou aqui no XXX” ou
    “ Wellington, todo mundo aqui de XXX já sabe que a Walkiria te ama muito. O amor dela é sem fronteiras”…
    Aí a pessoa tira uma foto segurando a sua plaquinha e me manda por e-mail.
    Vou juntar estas fotos com fotos nossas, imagens de amor, nossas músicas e assim vou criar o vídeo Amor sem fronteiras.
    Será que alguém de coração romântico poderia me ajudar a fazer esta loucura de amor para o nosso niver de namoro q sera o mes que vem???? Por favo me ajude fazer essa surpresa bjsss conto com vcs… e-mail waloliver11@hotmail.com

Deixe uma resposta

Required fields are marked *.